10/02/2020

MODELAGEM DE COMPORTAMENTO

ㅤㅤPor que algumas crianças atravessam a infância com poucos problemas de comportamentos observáveis enquanto outras dão problemas constantes para seus pais?

ㅤㅤO bom e o mau comportamento são formados pelas recompensas que a criança recebe. Algumas vezes os pais “acidentalmente” recompensam e reforçam o mau comportamento. Já os que não são recompensados ou são corrigidos, ficam mais fracos e terão menos possibilidades de ocorrer no futuro.

3 REGRAS PARA SEREM LEMBRADAS:

Regra 1 – Recompense o bom comportamento (faça isso rápido e frequentemente). 

Recompensas moldam e determinam nosso comportamento e o de nossos filhos (reforçadores).  Pessoas repetem comportamentos pelos quais foram recompensadas. 

Se seu filho se comporta de um jeito que lhe agrada, certifique-se de fortalecer este comportamento recompensando-o frequentemente. Recompensas sociais são muito eficazes tanto para crianças quanto para adultos. (sorrisos, abraços, afagos, beijos, olhar nos olhos, atenção, qualidade de tempo, etc). Em relação ao elogio, deve ser feito de imediato e especifico ao comportamento e não a criança: “Seu quarto está lindo e você fez um trabalho muito bom limpando-o!”  (elogio descritivo). Ao invés de: “ Você é uma boa menina!” 

Além de recompensas sociais, você também pode dar recompensas materiais e proporcionar atividades recompensadoras.   Para muitas crianças, entretanto, recompensas sociais são muito mais poderosas do que recompensas materiais.  

Regra 2 – Não recompense “acidentalmente” maus comportamentos.

Quando você acidentalmente recompensa o mau comportamento da criança, ele é fortalecido e é mais provável que aconteça no futuro.  É comum que isso aconteça com pais e mães ocupados e preocupados, fortalecendo comportamentos indesejados ou inapropriados.

Ver uma criança chorar e fazer birra é estressante e emocionalmente difícil, o que faz os pais ou os que estão próximos renderem-se às suas vontades. 

Por exemplo: José, 5 anos:    Quer a atenção de sua mãe, especialmente quando ela está ocupada, e começa a fazer birra. Mamãe acha tão insuportável que para o que estiver fazendo para dar-lhe uma bronca e então pergunta o que o está incomodando.   José aprendeu que quando ele realmente quer a atenção da sua mãe, primeiro deve fazer birra e aceitar uma bronca leve.  Então, recebe a atenção de sua mãe - uma recompensa PODEROSA para uma criança de 5 anos. Resultado: mamãe ensinou José a fazer birra.

Crianças também ensinam aos pais a se comportarem de determinadas maneiras. José ensinou à sua mãe a lhe dar atenção quando ele faz birra.  Quando ela lhe dá atenção, ele a recompensa parando.  Pais e filhos “ensinam” uns aos outros tanto comportamentos apropriados quanto inapropriados.

Regra 3 – Corrija e discipline alguns maus comportamentos (mas somente de forma branda).

Você algumas vezes precisa usar métodos que disciplinem, diminuam ou eliminem alguns comportamentos inaceitáveis ou perigosos. Consequências brandas, como as naturais, lógicas e penalidades podem ser úteis.  Não use, entretanto, consequências severas como ameaças horríveis, sarcasmos ou agressões de forma geral. Isto frequentemente complica os problemas de comportamento.

Na consequência natural você permite que seu filho sofra, a menos que isto ocasione algum perigo para a sua segurança. Por exemplo: Quebrar um brinquedo de propósito, terá um brinquedo quebrado que não será substituído.

Em relação as consequências lógicas, devem estar associadas ao comportamento inadequado. Por exemplo: Não obedecer e andar de bicicleta em lugar perigoso, ficar sem bicicleta por uma semana; jogar no celular/computador escondido, sem celular/computador por cinco dias.

Quando não consegue pensar em uma consequência lógica. Aplica uma penalidade em seguida de um mau comportamento, entretanto sem estarem “logicamente” relacionados. Perda de certos privilégios, uma multa ou tarefa extra que a criança ache desagradável.  Saber selecionar. Por exemplo: mentir aos pais, ficar sem TV durante a tarde; xingar, perder 2 reais da mesada cada vez que xingar.

Contudo, vale ressaltar que descrevemos modelagem de comportamento de crianças típicas, mas há exceções, como alguns casos de psicopatologias que necessitam de tratamento e orientação profissional. Sendo assim, se sentirem dificuldade em colocar em prática as orientações descritas anteriormente, procure um profissional especializado.

E LEMBRE-SE: Você é a principal fonte de recompensas para seu filho.

 

 

Tamiris Silva - Psicóloga
Atendimento de crianças, jovens, adultos e casais.
Fone: (16) 99744-0589 ou 3342-3969
Clínica CeOM