19/08/2019

TROCAR OU NÃO DE ESCOLA?

Não é birra, não é sono, não é fome, não é dor... É o choro mais doido que uma mãe pode sentir de um filho e isso acontece quando ele chora para entrar na escola! Como dói ver nossos pequenos assim, não é?
 
Tente descobrir de onde vem esse choro, tente eliminar todas essas possíveis chances de choro, mas nunca tome partido, sempre escute os dois lados: do seu filho e da escola. Tenha em mente que se algo aconteceu é preciso ajuda-lo a resolver!
 
Quando nosso filho não quer mais entrar na escola e tomamos a decisão de trocar de escola enfrentamos algumas barreiras e julgamentos criados por nós mesmos. A única coisa que nós pais queremos na vida é ver nossos filhos bem, quando vemos que algo os incomoda ou que algo não está lhe fazendo bem, nós, como adultos, resolvemos o problema, já a criança vê como ponto de refúgio o choro.
 
A comunicação entre a escola e os pais é fundamental! É preciso resolver o que está incomodando a criança para que ela fique bem e consequentemente os pais também. Se caso não houver acordo é preciso mudar de escola sim. Um exemplo de experiência: Meu filho ficou 2 anos pedindo para mudar de escola e eu sempre relutei pois escutava dele que não tinha amigos e ele sempre reclamava de um único colega. Fui algumas vezes na escola de surpresa vê-lo, mas sempre em horário de aula, e nunca via nada de errado. Foi quando um determinado dia fui no horário do intervalo e o vi sozinho, isolado. Chorei tanto aquele dia por não ter escutado meu próprio filho, só escutei o lado da escola.
 
 
Muitas vezes não sabemos lidar com mudanças em nossas vidas, me refiro a todos os tipos: mudança de casa, mudança de cidade, mudança de emprego, mudança de escola... Essa sim sempre causa um grande frio na barriga.
 
O maior dom do ser humano, segundo Stephen Hawking, é ser "adaptável a mudanças". Porém, nós adultos tentamos e muitas vezes, por sermos mais experientes, nós conseguimos. Mas quando se trata de nossos filhos pensamos diferente: "Será que ele vai gostar?", "Será que essa 'Tia' vai ser tão boa quanto a outra?", "Será que ele vai saber fazer amigos novos?", "Será que essa monitora vai ver que ele esta sozinho?"... Eita! Quantas paranóias que colocamos em nossas cabeças! Rs.
 
Assim como escolhemos a primeira escola devemos saber escolher a segunda (ou quantas outras forem necessárias) também. É inevitável que apareça comparações! Se for possível nunca fale para a escola nova o seu desapontamento com a escola anterior sobre o choro.
 
Hoje meu filho está em uma outra escola a um ano. Mudei e hoje ele tem amigos novos e que fazem muito bem para ele. Além das 'tias novas' que o ajudam bastante e tenho uma ótima comunicação. E, principalmente, ele está muito feliz e eu mais ainda!
 
Quando for fazer, simplesmente faça e esqueça o que ficou para trás. Escola nova, vida nova!
 
 
 
Carolina Lobato Boaventura
EDUCADORA
CASA DA TITIA (Jaú-SP)